Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]





Amigo de um amigo....

por aquimetem, em 19.03.14

 

(26/II/1936 - 12/III/2014)

 Foi o sucessor, no Patriarcado de Lisboa, do Cardeal D. António Ribeiro, um amigo de NS da Graça; e que nas Exéquias ao insigne celoricense desse: " A Páscoa perene, realidade permanente na Igreja, revive-se em cada tempo e em cada acontecimento. Revive-a hoje, a Igreja de Lisboa, com a morte do seu pastor. Apróxima-se a Páscoa, época da imolação dos cordeiros. Também ele era, por participação do mistério de Cristo, de condição divina. Identificado com Cristo, pelo baptismo, radicalizou essa similitude na ordenação episcopal que o tornou sacramento permanente de Cristo Sumo Sarcedote e Bom Pastor". As palavras com que então realçou a figura de D. António Ribeiro foram lhe agora retribuidas em pagela distribuida no dia do seu funeral. Mas é do Cardeal D. José Policarpo que estamos a falar.

Natural de Alvorninha, Caldas da Rainha, onde nasceu a 26 de Fevereiro de 1936, no seio de uma família cristã, D. José Policarpo descobriu a sua vocação sacerdotal no dia do seu Crisma, revelou ele à “Voz da Verdade”, em 2011. Cresceu no meio de uma família numerosa, e um, dos oito irmãos, que um dia disse aos pais : “ desejo ir para o seminário”. Foi, e a 15 de Agosto de 1961 é ordenado sacerdote, e logo, em 1968, é licenciado em teologia dogmática pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma

 

Em Maio, dia 26, de 1978 é nomeado bispo auxiliar de Lisboa, e em 1997 é nomeado arcebispo com direito a sucessão o que aconteceu logo no ano a seguir. Na caminhada até ali vem já com uma carga notável de serviços prestados à Igreja e de modo geral à sociedade. Em funções que exerceu como docente da Faculdade de Teologia da Universidade Católica, de que foi diretor e também reitor.

A 24 de Março de 1998, tornou-se no 16º. Patriarca de Lisboa e dos mais ativos líderes do Congresso Internacional para a Nova Evangelização, a par dos seus similares de Paris, Bruxelas, Budapeste e Viena. Em 2000, preside ao encontro da Comunidade de Santo Egídio e pede perdão aos judeus pelas perseguições. Também a comunidade monástica de Taizé, França, é por ele convidada a promover o encontro europeu de jovens, em Lisboa, em 2004. Foi nomeado cardeal em 21 de Janeiro de 2001 por João Paulo II; nessa condição participou nos Conclaves que elegeram os papas Bento XVI, em 2005, e Francisco I, em 2013. D. José Policarpo e o Papa Francisco foram feitos cardeais no mesmo consistório. Ainda de realce na vida deste saudoso pastor da Igreja é o ter recebido a visita de Bento XVI a Portugal, em Maio de 2010.

Ao atingir os 75 anos pediu a resignação, mas Bento XVI pediu-lhe para que se mantivesse no cargo por mais algum tempo; como entretanto também Bento XVI acabou por resignar, foi decorridos uns três anos e já após a eleição do Papa Francisco, que a resignação de D. José Policarpo acabou por ser aceite, a 18 de Maio de 2013.

Dele comenta o seu sucessor, D. Manuel Clemente, ao anunciar a sua morte na passada 4ª-feira, dia 12 : “ Mantém-se viva a feliz memória do seu trabalho e do muito que a Igreja de Lisboa e a Igreja de Portugal deve à sua generosidade e à sua lucidez, à sua grande bondade com que exerceu o seu Ministério”. O patriarca emérito estava num retiro dos bispos em Fátima, sentindo-se mal veio para Lisboa, onde morreu às 19:50h vitima de um aneurisma da aorta, no hospital do SAMS.

 

Nas Exéquias fúnebres, na Sé de Lisboa

O corpo do saudoso patriarca esteve desde 5ª até 6ª-feira em câmara ardente na Sé Patriarcal, donde por volta das 18:15h saiu em cortejo funebre para o Panteão dos Patriarcas de Lisboa, na igreja de São Vicente. Calcula-se que cerca de cinco mil pessoas marcaram presença no funeral deste zeloso pastor que até as ovelhas ranhosas tratava com respeito e carinho.

As pessoas no passeio, junto à casa onde nasceu Santo António de Lisboa, frente à Sé.

Fui dos que entraram na Sé para assistir às exequias fúnebres, mas que para dar espaço aos muitos que também desejavam fazer o mesmo, optei por me juntar aos muitos que se concentraram cá fora à espera de se despedirem dos restos mortais que foram invólucro de uma alma sublime na terra, e que no Céu já tem o prémio.

 

 Inicio do cortejo, dois carros fúnebres. O que mal se vê junto da porta é o que levou a urna. O outro flores.

Além das muitas figuras publicas também muito publico anúnimo se associou a esta homegem a um seu pastor com destaque para o Clero do Patriarcado. 

Também o Eqiscopado Português se se representar em peso. Era a despedida de um amigo e Paspor do mesmo rebanho 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:38



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D